Startup Pará incentiva empreendedorismo e inovação na região

Lançamento de projeto aconteceu nesta quinta-feira (19), em Belém

19/12/2019 14h12 - Atualizada em 19/12/2019 14h50
Por Igor Oliveira (SECOM)

Estimular empreendimentos que usem inovação como base de suas atividades e, assim, criar um centro de referência na área para atrair e formar negócios em toda a região. Esse é o principal objetivo do programa Startup Pará, elaborado pelo governo do Estado e lançado nesta quinta-feira (19), em Belém. A iniciativa é coordenada pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), pela Secretaria de Estado de Planejamento e Administração (Seplad) e pela Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa). 

O programa busca incentivar, através de políticas públicas, a criação e o desenvolvimento de atividades inovadoras em áreas como educação, energia, mineração, saúde e qualidade de vida do cidadão, biotecnologia, administração pública e logística. O projeto prevê o investimento inicial de cerca de R$ 3 milhões.

Participaram do lançamento do edital da iniciativa o governador do Pará, Helder Barbalho; o titular da Sectec e presidente da Fapespa, Carlos Maneschy; a secretária de Planejamento e Administração, Hana Gasshan; a secretária de Cultura, Úrsula Vidal; o titular da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas), Mauro Ó'de Almeida; e demais autoridades.  

Para o governador, investir em ciência e tecnologia é pensar no futuro da região. “Com o Startup Pará devemos ofertar para a sociedade condições de transformar o talento em produtos e serviços e, para isso, vamos investir em políticas públicas que intensifiquem essas oportunidades”, ressaltou Helder, afirmando que o projeto observa o potencial do Pará em ser uma referência em empreendedorismo na Amazônia.

A iniciativa representa também um compromisso assumido com a sociedade. “Reafirmamos os investimentos em inovação e em ciência e tecnologia porque isso, além dos benefícios de empreendedorismo, facilita o acesso ao serviço público”, destaca Helder. O governador afirmou ainda que, no próximo mês, deve encaminhar para apreciação da Assembleia Legislativa do Estado (Alepa) uma proposta de encaminhar 20% dos royalties arrecadados pelo Estado para a área de Ciência e Tecnologia.

De acordo com o titular da Sectec, Carlos Maneschy, o investimento em inovação é essencial para colocar o Pará em um novo tempo de desenvolvimento. “Somos um Estado de imenso potencial econômico e natural. Mas ainda não conseguimos aproveitar essa riqueza de maneira produtiva. Com o projeto Startup Pará, vamos incentivar ações para mudar essa realidade e, a longo prazo, formar pessoas para contribuírem com as virtudes da nossa região”, reforçou Carlos Maneschy. 

O secretário destacou ainda que o compromisso com a preservação do meio ambiente é um dos pilares que norteiam o projeto. “O programa busca incentivar, de maneira diferenciada, as empresas e empreendedores que promovam o estabelecimentos de novos serviços ambientais, observando a linha de sustentabilidade estabelecida pelo governo”.

A oportunidade de investir na própria região é um dos atrativos que a pesquisadora Márcia Souza observou no iniciativa. "Faço parte de uma startup que trabalha com biotecnologia a partir de matérias-primas locais. Mesmo com nosso material, foi mais fácil abrir um empresa em outro estado do que aqui. Com o projeto Startup Pará, vamos ter incentivo para pesquisar, trabalhar e render no cenário amazônico”, notou Márcia. A pesquisadora também observou que o incentivo e capacitação ao empreendedorismo geram resultados a longo prazo. “É uma reação em cadeia: mais oportunidades, mais formação, mais inovação, tudo deve possibilitar novas chances de desenvolvimento”, conclui.

Aceleração e novos negócios - Com o lançamento do projeto, serão acolhidas na fase inicial 15 propostas em fase de pesquisa na modalidade “Novos Negócios”, que contempla a abertura de empreendimentos inovadores em fase pré-operacional, e 15 na modalidade “Aceleração”, voltada para atividades promissoras já existentes no mercado. As iniciativas selecionadas terão capacitação, mentoria e acompanhamento do negócio. Após essa etapa, um comitê avaliador, formado por profissionais e técnicos do mercado, vão escolher 10 propostas de cada modalidade para assinatura de contrato e investimento financeiro. As propostas em “Novos negócios” podem receber até R$ 80 mil por projeto, enquanto a modalidade “Aceleração” oferece o fomento de até R$ 200 mil por cada iniciativa selecionada.