Paratletas do All Star Rodas são campeãs do Brasileiro em São Paulo

Paraenses conquistaram 18º título da equipe de basquete em cadeira de rodas

02/12/2019 10h29 - Atualizada em 02/12/2019 11h26
Por Paula Portilho (SEEL)

Vencedoras comemoram no Centro de Treinamento do Comitê ParalímpicoAs paratletas Perla dos Santos, Adriene Oliveira Ozineide Lobato, Aída Nunes e Kátia do Socorro, da equipe All Star Rodas, retornaram ao Pará como vencedoras do Campeonato Brasileiro Feminino de Basquete em Cadeira de Rodas, realizado em São Paulo, no Centro de Treinamento do Comitê Paralímpico, encerrado na última sexta-feira (29), pela Confederação Brasileira de Basquetebol em Cadeira de Rodas. As campeãs são contempladas do Programa Bolsa Talento, gerenciado pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel).

Referência nacional nessa modalidade, o All Star Rodas/Remo conquistou o 18º título da competição. “Agradeço a todos que têm uma visão de cooperar com o esporte paralímpico, pois demonstra um crescimento muito grande e com essa vitória a equipe All Star tem 18 títulos. Agradecemos a Seel que fez a doação de cadeira de rodas e fomenta o esporte através da Bolsa Talento”, disse o técnico Wilson Corrêa, o Caju.

Também fizeram parte do time Vileide Brito, Paola Klokler, Gabriela Nascimento, Anirely, Débora Costa, Cleonete Reis, Denise Alves, Zuíla Silva e Nicéia Silva.

"Tenho consciência das dificuldades dos atletas em participar de competições nacionais e internacionais. O que a gente puder fazer para dar o melhor aos nossos esportistas, faremos. Sempre tive a certeza que a performance delas melhoraria muito e que teríamos novas medalhas para a região Norte", disse o secretário de Esporte e Lazer, Arlindo Silva.

De acordo com Caju, o ano foi bastante produtivo com importantes conquistas para a equipe. “No atletismo, Rildo Saldanha foi heptacampeão da Corrida do Círio, pentacampeão na Corrida do Trabalhador e tricampeão no Campeonato Regional Norte/Nordeste nas provas de 1.500m e 400m, em Sergipe. No basquete masculino, ficamos em terceiro lugar no Campeonato Brasileiro e com esse resultado passamos à elite nacional deste esporte. Em Lima, no Peru, fomos medalha de bronze nos Jogos Parapan-Americanos, em que a Seel nos doou cinco cadeiras para competir. Isso mostra o valor do esporte e a nossa evolução”, avalia o técnico.

No próximo dia 17, em São Paulo, uma cerimônia organizada pelo Comitê Paralímpico fará uma homenagem aos melhores do ano, na qual a paratleta Vileide Brito receberá o prêmio representando a modalidade e o Pará.

Entre os próximos desafios da equipe estão a participação de Rildo na Corrida de São Silvestre e, para 2020, a organização para realizar uma Copa Amazônia no Estado e, futuramente, ter um centro de treinamento para o basquete em cadeira de rodas no Pará.