Governo discute instalação de terminal de gás natural em Barcarena

Iniciativa também prevê a construção de uma central termoelétrica na região, com geração de 7.500 empregos

27/11/2019 14h05 - Atualizada em 27/11/2019 19h06
Por Igor Oliveira (SECOM)

O governador do Estado, Helder Barbalho, recebeu, na manhã desta quarta-feira (27), no Palácio do Governo, em Belém, representantes da empresa Golar Power Latam, dedicada ao desenvolvimento de projetos integrados de terminais de gás natural liquefeito (GNL) e geração de energia.

O objetivo da reunião foi discutir a instalação de um terminal de distribuição de gás e uma central termoelétrica em Vila do Conde, no município de Barcarena, nordeste paraense. Além de Helder, participaram do encontro o chefe da Casa Civil, Parsifal Pontes; o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Iran Lima; e o deputado estadual Renato Ogawa.

O GNL é empregado como combustível nas indústrias, veículos pesados e automóveis de passeio. É uma fonte energética menos poluente que o óleo diesel e é mais barato que o álcool e a gasolina. A construção do terminal de distribuição do gás representa a primeira etapa do empreendimento, já que o seu funcionamento vai viabilizar as obras da termoelétrica e demais indústrias próximas que utilizem a mesma energia. 

“Deve ser o projeto de maior redução de impacto ambiental de todo Brasil, porque permite a transição de queima de combustíveis líquidos para a utilização de gás liquefeito, algo desejado aqui há anos. Vai fomentar a implementação de diversas indústrias interessadas em vir ao Pará, que é uma região muito rica em recursos minerais, mas que hoje carece de uma estrutura para aproveitar energia limpa e barata”, explica o CEO da Golar Power, Eduardo Antonello. 

Benefícios - O investimento nas obras está avaliado em quase R$ 4 bilhões, com previsão para gerar 7.500 empregos diretos e indiretos. Além dos benefícios econômicos, Eduardo enfatiza a atenção à questão ambiental existente no projeto.

“Nós estamos muito empolgados com a receptividade da equipe de governo. É uma colaboração de benefício mútuo. O GNL viabiliza, por exemplo, a transição de todos os veículos pesados, que hoje consomem diesel e poluem centros urbanos, para a utilização de gás combustível. Representa um impacto positivo para o consumidor, mas também é bom para a saúde pública”, destaca o CEO.

Para o titular da Sedeme, Iran Lima, o empreendimento é um dos mais importantes na história do Pará. “Representa um novo momento para o Estado na geração de energia, que é um dos principais entraves para a verticalização de diversas produções na região. O GNL vai trazer o barateamento da geração de energia, assim como deve proporcionar o uso doméstico para a população geral”, explica o secretário. 

Prazos - A previsão é que a construção do terminal de distribuição de gás comece em março de 2020 e que esteja operacionalizada a partir de 2022, abastecendo a região Norte. Para a central termoelétrica, a expectativa é que comece a funcionar até 2025