Governo inaugura Setor de Hemodiálise e amplia atendimento no Hospital Regional em Marabá

26/11/2019 22h41 - Atualizada em 26/11/2019 23h45
Por Jackie Carrera (SECOM)

O governador Helder Barbalho (c) na inauguração do Setor de Hemodiálise, ao lado dos secretários Alberto Beltrame (e) e João Chamon Neto"Pra gente foi até uma surpresa, porque conseguimos essa consulta hoje e a gente não sabia que era a inauguração. Nós ficamos mais felizes ainda de saber que aquilo que a gente tinha como expectativa, agora, de fato, vai se concretizar", disse Karlan Lima, pai do adolescente José Gabriel Lima, paciente renal crônico, que sempre esperou acompanhar o filho na cidade onde reside, Marabá, no sudeste do Pará.Karlan Lima e o filho, José Gabriel, que é renal crônico, na consulta no novo setor do Hospital Regional

Nesta terça-feira (26), os dois não precisaram mais ir à capital (Belém) para fazer o tratamento. José Gabriel já foi atendido no setor de hemodiálise do Hospital Regional do Sudeste do Pará - Dr. Geraldo Veloso (HRSP), na sede municipal de Marabá, inaugurado hoje pelo governo do Estado.

Há 13 anos, José Gabriel nasceu com um rim comprometido, e ao longo de seu desenvolvimento apenas um rim ficou saudável. O adolescente nunca precisou passar pela máquina de hemodiálise, mas tem que fazer exames com frequência. O pai sempre o acompanhou nesta rotina em clínica de hemodiálise.

"Inicialmente, quando descobrimos a situação, ele foi regulado pra Belém, e tínhamos que viajar a cada 30 dias. Depois, esse tempo de retorno não precisou ser tão curto. Mesmo assim sempre tivemos esse transtorno com a distância pra conseguir esse atendimento ambulatorial especializado", explicou Karlan Lima.O governador e comitiva conheceram as novas instalações

Ampliação - O Hospital Regional de Marabá é referência em saúde para 22 municípios do sudeste paraense. A nova ala entregue pelo governo amplia o atendimento a pacientes renais. "No espaço são oferecidas consulta ambulatorial com nefrologista e equipe multidisciplinar, triagem e atendimento em hemodiálise. São 22 máquinas, que podem atender 103 pacientes, produzindo uma média mensal de 1.500 sessões", ressaltou James Vinicius, enfermeiro responsável pelo setor.

O novo espaço foi visitado pelo governador Helder Barbalho, que estava acompanhado pelo vice-governador, Lúcio Vale; o secretário de Estado de Saúde Pública, Alberto Beltrame; secretário Regional de Governo, João Chamon Neto; do prefeito de Marabá, Sebastião Miranda, e demais autoridades.

O Hospital Regional em Marabá é referência em saúde para 22 municípios do sudeste paraenseImpedimentos - O secretário Alberto Beltrame lembrou que, no ano passado, a ala chegou a ser inaugurada, quando deveria iniciar suas atividades, mas a estrutura não era adequada ao atendimento. Um dos principais impedimentos foi o fornecimento de água tratada, que não estava concluído.

"Lamentavelmente, a situação lembra o que aconteceu com o Hospital Abelardo Santos (em Icoaraci, distrito de Belém). Foi uma obra inaugurada pela gestão anterior sem condições de funcionar. Não tinha instalação elétrica, nem água tratada", informou Alberto Beltrame.As 22 máquinas podem atender 103 pacientes, com uma média mensal de 1.500 sessões de hemodiálise

Para que não haja riscos, cada sessão de hemodiálise dura, em média, 4 horas, e necessita de 120 a 200 litros de água ultra pura, sem as substâncias presentes em um tratamento comum, como alumínio, cloramina, fluoreto, cobre e zinco. Depois que o atual governo fez os ajustes necessários, o setor está em pleno funcionamento.

Helder Barbalho conferiu as incubadoras entregues ao Hospital Municipal de MarabáNovos equipamentos - Outro investimento do governo do Estado para a melhoria no atendimento em saúde em Marabá, com reflexo na região, foi a entrega de quatro incubadoras neonatais ao município. A diretora administrativa do Hospital Municipal Materno Infantil, Auciléia Partaglia, explicou que está em fase de licitação a implantação da UTI Neonatal na maternidade, com equipamentos necessários ao atendimento de qualidade aos recém-nascidos.

“Nós temos uma única UTI que fica no Hospital Regional, contendo nove leitos. Então, estávamos precisando bastante nesse hospital. Um bebê prematuro demora bastante na incubadora. Precisávamos muito que a quantidade fosse aumentada. Nós fazemos cerca de 500 a 600 partos por mês", informou a diretora hospitalar.

O governador e o secretário de Saúde visitaram o espaço onde já estão os equipamentos, e avaliaram a possibilidade de o Estado contribuir para que, em breve, a UTI seja inaugurada.