Pará elabora esquema preventivo de combate às manchas de óleo

Sem registros confirmados no Estado, governo inicia vistorias técnicas em áreas costeiras

19/10/2019 17h11 - Atualizada em 19/10/2019 17h27
Por Ronan Frias (SEMAS)

Pará faz tratativas para agir, caso necessário, em apoio aos órgãos federais, como Ibama e ICMBio, e secretarias municipaisA Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) informa que, até a manhã deste sábado (19), não foram confirmadas, na região costeira do Pará, manchas de óleo que sejam relacionadas ao incidente registrado no nordeste do Brasil.

O governo do Estado já iniciou as tratativas necessárias para agir, caso necessário, em apoio às ações dos órgãos federais, como Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), além das secretarias municipais de Meio Ambiente.

Nesta semana, representantes da Semas, Corpo de Bombeiros do Pará e Defesa Civil Estadual realizaram a primeira reunião de alinhamento de informações sobre o assunto, para traçar estratégias preventivas diante de um possível avanço de manchas de óleo. O encontrou também contou com biólogos que fazem o monitoramento e estudo sobre o tema.

No encontro, foram avaliadas as áreas que mais recebem visita de animais marinhos e os cuidados que devem ser tomados com a fauna e a flora em caso de um possível contato com o óleo.

Os representantes dos órgãos envolvidos definiram também que os trabalhos começariam pelas cidades de Viseu e Augusto Corrêa, pela proximidade dos municípios com o Maranhão, estado já atingido pelas manchas de óleo. Em seguida, as ações seguiriam para Bragança, Vigia, São Caetano e Colares.

Vistoria – A partir da próxima segunda-feira (21), a Semas deve iniciar a elaboração de um calendário de vistorias técnicas nas áreas costeiras do Pará. As equipes vão avaliar a situação das localidades para que, caso seja necessário, sejam tomadas novas ações, em um segundo momento.

"A nossa intenção é ir aos municípios que seriam os primeiros a serem atingidos. Vamos aos locais inicialmente em caráter observatório", explicou Iolene Azevedo, responsável pelo setor de Gerenciamento Costeiro da Semas.

O Corpo de Bombeiros pede que, caso a população encontre manchas de óleo no mar ou em praias, ou animais atingidos, entre em contato com a Semas pelos telefones: (91) 3184-3362/3300/3330.

*Com informações do Corpo de Bombeiros.