Ideflor-Bio apresenta projetos no II Fórum de Gestão do Turismo de Base Comunitária

03/05/2019 09h46
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Profissionais que trabalham com o turismo de base comunitária, representantes de instituições da administração pública e de empresas privadas, de Organizações Não-Governamentais (ONGs), de comunidades ribeirinhas, além de pesquisadores de todas as regiões do Estado participam, até o próximo sábado (4), do II Fórum de Gestão do Turismo de Base Comunitária do Pará. A edição 2019 foi aberta na manhã desta sexta-feira (2), na sede da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), em Belém.

O evento tem como objetivo discutir os processos de gestão, de desenvolvimento de projetos e os desafios da implementação do turismo de base comunitária no Estado do Pará. Trata-se de uma iniciativa da Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais do Turismo (ABBTUR), em parceria com a Faculdade Pan-Amazônica (Fapan), empresas que trabalham com roteiros de turismo comunitário, além da Sudam, do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade da Amazônia (Ideflor-Bio), da Secretaria de Estado de Turismo (Setur) e do Instituto Federal do Pará (IFPA).

O evento ocorre a cada dois anos. E este primeiro momento foi voltado a apresentações de projetos pelos representantes das entidades envolvidas, no auditório da Sudam. No sábado (3), a programação continua com a realização do roteiro turístico “Vem Viver Santo Amaro”, na Comunidade de Santo Amaro, que integra o Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia, uma Unidade de Conservação estadual sob a responsabilidade do Ideflor-bio.

SANTO AMARO

Localizada às margens do Rio Taiassuí, afluente do Rio Guamá, a comunidade fica a oito quilômetros da Alça Viária, no município de Benevides, na Região Metropolitana de Belém (RMB). Quem visita o espaço tem a experiência de contemplar exemplares da fauna e flora da região. Já o terceiro e último dia do Fórum, no sábado (4), haverá um roteiro turístico na Ilha de Cotijuba, em Belém, a terceira maior em dimensão territorial da capital paraense, banhada pelas baías do Marajó e Guajará.

Palestrante do Fórum, o Diretor de Gestão e Monitoramento de Unidades de Conservação do Ideflor-Bio, Júlio Meyer, ressalta que, para o Instituto, o evento é uma oportunidade muito interessante de troca de informações e conhecimento com o setor do turismo no Estado, em especial com as empresas que operam o turismo e demais órgãos que também têm afinidade com o tema.

De acordo com o diretor, transformar as unidades de conservação em locais turísticos possíveis de serem visitados, promovendo a geração de renda e a preservação do meio ambiente por quem visita e, sobretudo por quem habita nas áreas, é o grande intuito do trabalho realizado pelo Ideflor-Bio nas UCs. “Em Belém tivemos um grande avanço com o uso público, na parte turística, não só com o Parque do Utinga, como elaborando roteiros e produtos turísticos nas demais unidades de conservação. Cito o Refúgio Vida Silvestre Metrópole da Amazônia, onde desenvolvemos um produto turístico muito interessante, de base comunitária, em parceria com os moradores locais ribeirinhos. E temos ainda a APA da Ilha do Combu”, diz ele, acrescentando que, no Refúgio, o Ideflor-Bio desenvolve o projeto AgroVárzea, que tem o intuito de fortalecer a agenda do turismo rural e da agroecologia.

“É uma oportunidade para os visitantes contemplarem um pouco da nossa biodiversidade e da proteção das nossas áreas, percebendo o quanto é importante a participação das comunidades ribeirinhas na proteção das áreas onde elas vivem, que são as nossas unidades de conservação”, pondera Meyer.

AGROVÁRZEA – Presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson explica que o Projeto Agrovárzea, desenvolvido pelo Instituto, visa o fortalecimento da agricultura familiar por meio da valorização das comunidades tradicionais e das boas práticas de manejo das propriedades rurais. O trabalho é realizado pela Gerência da Região Administrativa de Belém, vinculada à Diretoria de Gestão e Monitoramento das Unidades de Conservação do Ideflor-bio. “Para nós é uma satisfação imensa poder contribuir com todo o setor que, além de gerar renda, também contribui muito com a valorização das pessoas e do nosso meio ambiente”, diz a presidente.

FLOTA DE FARO - Também palestrante do evento, a técnica em Gestão de Meio Ambiente e turismóloga do Ideflor-Bio, Socorro Rodrigues de Almeida, contou sobre sua experiência com o desenvolvimento do Programa de Uso Público da Flota de Faro, no município de Faro, no oeste do Pará, na divisa com o Estado do Amazonas. Dentre as ações do programa estão a capacitação com a promoção de cursos destinados aos envolvidos na atividade, levantamento de potencial turístico da área, além da parceria com ONGs e prefeituras. “Quando se fala em meio ambiente e comunidades, há sempre pessoas envolvidas. Esse suporte na capacitação para o turismo de base comunitária é justamente para dar o senso de pertencimento a essas comunidades, com relação à unidade de conservação. É para que elas entendam que podem obter lucro com a floresta em pé”, enfatiza.

Segundo a técnica, com a capacitação, as comunidades passam a entender o que são hábitos predatórios nocivos à biodiversidade e o que o seu papel é preservar o meio ambiente. “Comumente, há comunidades que moram em áreas de floresta que podem ter hábitos predatórios como derrubar a floresta para vender madeira, matar caça na feira da cidade e outros. Lutamos para reverter essa cultura. É apostar numa atividade que dê lucro e que eles se coloquem como guardiões da floresta e não predadores”, esclarece.

Fórum de Turismo de Base Comunitária

O evento surgiu em 2016, por uma iniciativa dos alunos do curso de Turismo da Fapan, com o objetivo de reunir pessoas, instituições e órgãos que trabalham com o turismo de base comunitária no Pará, com o intuito principal de fomentar a atividade no Estado. Como resultado final, nesta 2ª edição, será formulada uma proposta (Projeto de Lei Estadual), a título de contribuição deste Fórum à regulamentação do Turismo de Base Comunitária no Estado do Pará.

Programação:

2° Dia (03/05)
"Vem Viver Santo Amaro"_: Vivência na Comunidade de Santo Amaro no Refúgio de Vida Silvestre Metrópole da Amazônia, município de Benevides.

3° Dia (04/05)
"Vem Viver Cotijuba"_: Vivência com pernoite na Ilha de Cotijuba na região insular de Belém

Para participar da programação itinerante é necessário adquirir os roteiros entrando em contato com as empresas:

Guajará - Operadora de Turismo: (91) 9 9133-8126 (Iraíde Brabo)
Vivenciar - Operadora de Turismo: (91) 9 8530-9414 (Ana Karolina Jorge)