Cosanpa acelera obras no Complexo Bolonha

30/04/2019 17h17
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Acelerar o ritmo das ações para antecipar a conclusão da obra no Complexo Bolonha. Essa é a prioridade para a Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) para melhorar o serviço de abastecimento de água. O órgão pediu atenção ao consórcio responsável pelo trabalho, durante reunião realizada nesta segunda-feira (29), na sua sede, em Belém.

Na ocasião, os diretores da empresa apresentaram a situação atual da obra, que começou com atrasos, no ano passado. “Eles explicaram que esta obra ficou atrasada por conta de repasses que não foram feitos e projetos que demoraram a serem entregues na gestão passada”, informou o presidente da Cosanpa, Márcio Coelho.

Durante o encontro, ficou definido que a Companhia irá agilizar a parte de documentação, como a atualização das especificações do sistema que estão no projeto. A empresa também já começará a encomendar as vigas que são feitas sob medida para o empreendimento, para que a obra siga em ritmo acelerado. 

O Complexo – A construção do Complexo Bolonha é dividida em dois momentos: o primeiro em 1986 e o segundo em 2010. A última, que deveria ter dobrado a capacidade de captação de água de 3,2 m³/ por segundo para 6,4 m³/ por segundo, foi entregue com diversas ressalvas, inclusive com equipamentos sem funcionamento ou apresentando falhas.

Na modernização do complexo, estruturas como decantadores (reservatórios usados no processo de tratamento da água) tiveram que ser parcialmente demolidas para a implantação de um novo sistema.

Sistema atual – Atualmente, o sistema funciona com apenas oito dos 16 filtros, comprometendo a eficiência do abastecimento. Belém e os municípios da região metropolitana cresceram, mas a capacidade de captação de água continua a mesma de 1986.

A intermitência no serviço, registrada nas últimas semanas, é consequência da falta de investimentos no complexo e de manutenção preventiva, como foi registrado nos relatórios dos últimos quatro anos da Agência Reguladora Municipal de Água e Esgoto de Belém (Amae), que fiscaliza o serviço prestado pela Cosanpa.

Os filtros estão sobrecarregados e precisam passar por limpeza em um intervalo  de tempo mais curto. Além disso, toda vez que os reservatórios atingem 25%, é preciso parar o sistema para a proteção das bombas do Complexo e a recuperação das cisternas.

A obra – O objetivo do serviço é duplicar a capacidade para atender de forma adequada os moradores dos bairros Guamá, Marco, Souza, Curió-Utinga, São Brás, Fátima, Pedreira, Terra Firme, Canudos, Jurunas, Telégrafo, Sacramenta, Barreiro, Marambaia, Val-de-Cans, partes da Cremação e Condor, em Belém. E também quem mora nos bairros Coqueiro, Guanabara e parte do Atalaia, em Ananindeua.

 O Complexo Bolonha está sendo reestruturado para que todos os problemas sejam resolvidos e a população receba o serviço de qualidade que espera. O investimento é de R$ 155 milhões e a previsão é de que primeira fase da obra seja concluída em setembro deste ano.