Terminal Hidroviário de Santarém deve ser concluído em março de 2020

22/03/2019 17h47
Por Redação - Agência PA (SECOM)

O governador Helder Barbalho esteve nesta sexta-feira (22) no local onde está sendo construído o Terminal Hidroviário de Cargas e Passageiros de Santarém, no oeste do Pará, no bairro da Prainha, na instalação da antiga fábrica Tecejuta. O complexo, cuja construção já atingiu 40% das obras físicas, precisa ser retomado, mas com ajustes no projeto original para melhor atender às necessidades dos usuários. A determinação do governador foi acelerar os trabalhos, concluir a obra e garantir o início do funcionamento do terminal.

Na próxima quinta-feira (28) haverá uma reunião entre representantes da Companhia de Portos e Hidrovias (CPH), Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop), Secretaria de Estado de Transportes (Setran) e Secretaria de Planejamento (Seplan) e do Consórcio Tapajós, vencedor da licitação para execução da obra. O objetivo é sanar todos os problemas identificados, “para que nós possamos ter a tranquilidade de que as obras possam acontecer sem entraves. Em princípio, se não houvesse qualquer embaraço, nós teríamos a possibilidade de entregar o terminal em quatro meses. Porém, em função da comunicação feita pelo próprio consórcio de alguns equívocos de projetos e algumas necessidades de ajuste, nós estamos com prazo de conclusão, no máximo, em um ano”, anunciou Helder Barbalho.

Estrutura - O terminal terá 5,6 mil metros quadrados de área para uso das empresas de transporte fluvial nos antigos galpões da Tecejuta, que estão em fase final de revitalização. O aço, que tem mais de 60 anos, foi lixado e pintado, tendo a durabilidade garantida por mais 100 anos. Serão sete balsas acopladas e um píer de 200 metros para o embarque e desembarque simultâneo de 17 barcos, além de um terminal de passageiros com 3,6 mil metros quadrados de área construída, muro de arrimo com 254 metros e estacionamento.

Abraão Benassuly, presidente da Companhia de Portos e Hidrovias, informou os ajustes que precisam ser feitos no projeto do terminal para corrigir algumas distorções técnicas, como a retirada da planilha das obras, pelo governo anterior, da aquisição de equipamentos. “Então, se faz necessária a revisão de todos os projetos, desde a parte elétrica, projetos executivos de arquitetura, urbanístico e ainda avaliar a questão das cadeiras que estão fora do projeto, de modo que é necessário fazer uma revisão geral no projeto. Com os ajustes prontos, a obra será tocada já com prazo para sua inauguração, em março de 2020”, adiantou.

Segundo dados da CPH, depois de concluído o Terminal Hidroviário de Santarém será um dos mais modernos do Brasil, devendo movimentar, em média, entre 50 e 60 mil passageiros por mês, além de suprir definitivamente a demanda de trabalhadores, donos de embarcações e outros segmentos da população que utilizam o modal hidroviário.

Segundo Túlio Damasceno, diretor-executivo do Consórcio Tapajós, a obra passa por alguns entraves técnicos e financeiros, mas que já estão sendo tratados pela CPH e o consórcio, que espera em breve resolver todas as pendências. “Sanando essas questões, a empresa consegue se reorganizar, retomar as obras para entregar o terminal para a população do oeste do Pará”, acrescentou.