Novas empresas residentes chegam ao PCTGuamá

25/02/2019 14h15 - Atualizada em 26/02/2019 18h37
Por Redação - Agência PA (SECOM)

No mês de fevereiro, a comissão de avaliação de empreendimentos interessados em se instalar no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, composta por representantes da Fundação Guamá, Sebrae Pará e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), aprovou a entrada de 11 novas empresas e startups que irão ocupar salas nos prédios "Espaço Inovação" e "Empreendedor". Com a nova seleção, o parque científico e tecnológico passará a contar com cerca de 70 iniciativas instaladas, sendo 34 empresas, 18 startups, 15 laboratórios de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e quatro instituições.

Os setores dos novos residentes são variados: investimento; produção de alimentos; softwares; energia renovável; Ensino à Distância (EAD); design de gemas, joias e metais preciosos; engenharia, química e defesa; e indústria. A instalação no parque científico tecnológico é realizada por meio de edital, que possui fluxo contínuo até a total ocupação dos prédios. Após apresentação da documentação requerida, as empresas passam pelo crivo da comissão de avaliação. Ao todo, já foram aprovados 16 novos empreendimentos no ano de 2019. 

Os planos do Governo do Estado, como o Pará 2030 e o Bio Pará, e também a biodiversidade da região, ajudaram na atração da ILED, empresa de engenharia, com base em São Paulo, que desenvolve atividades nos ramos de química, biotecnologia e defesa. Um dos braços de atuação da companhia é o desenvolvimento de projetos de viabilização de novas empresas com o uso de alta tecnologia e processos inovadores. A partir deste propósito, desenvolveram um projeto para obtenção das vitaminas E, a partir da soja, e A, extraída da Palma.

Após um período de desenvolvimento destes produtos a empresa, junto com investidores, está liderando a implantação de uma nova indústria, a Bio Sans. A perspectiva é que eles ocupem uma sala no prédio Espaço Empreendedor e que no segundo semestre construam sua fábrica em um dos lotes do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá, gerando cerca de 50 novos empregos diretos.

O presidente da ILED, Flávio cunha, destaca que “o que mais nos atraiu no PCT Guamá foi o fato deste estar atualmente voltado para exploração de tecnologias que utilizem do princípio da Biotecnologia, além de oferecer amplo espaço e modernos laboratórios que estão totalmente relacionados com o campo de atuação da empresa que vamos implantar, a Bio Sans. Além disso, a disponibilidade de mão-de-obra especializada, a proximidade com a universidade e o excelente trabalho que as equipes do PCT Guamá e da BioTec Amazônia [outra inciativa instalada no parque tecnológico] fazem, também foram fatores determinantes na escolha”, afirmou.

Outro destaque é a paraense Equilibrium Web, do setor de softwares. Fundada em 2004, foi a primeira empresa privada da região a ter o selo MPS.Br (Melhoria do Processo de Software Brasileiro), no ano de 2010. O sócio proprietário, Sebastião Farias Jr. desta que o motivo de se instalar no Parque. “Nossa ideia é aproveitar a grande estrutura que ele oferece e utilizar isso como uma vantagem para oferecer aos clientes os melhores serviços. Além disso, por se tratar do primeiro parque de ciência e tecnologia da região, acreditamos que também possam surgir novas oportunidades de serviços pra gente também”.

Outros residentes

A DM2 Investimentos é um startup focada no gerenciamento de capital de pessoas físicas, pequenas e médias empresas. Montam o perfil investidor de acordo com as especificidades de cada cliente.

A Serra Alimentos é uma indústria que trabalha com a produção de alimentos processados visando a praticidade, o sabor e o valor nutricional.

A BioSolar Soluções Sustentáveis tem como foco a elaboração de projetos para suprir demandas de caráter tanto energético, utilizando o sol como fonte renovável geradora de energia, quanto de formalização e inovação ambiental na região.

A Universo EAD prevê a disponibilização de conteúdos curriculares de qualidade, oferecidos em diversos suportes e formas de acesso, com atividades programadas no ambiente virtual de aprendizagem (AVA), além de encontros presencias.

A Amazon Foodlab é uma empresa do ramo de alimentos focada no desenvolvimento de produtos que utilizem biodiversidade da região Amazônica.

A Karajaz Joias utiliza inovação e tecnologias na cadeia de produção de gemas e joias para a criação de designs diferenciados e com significados culturais. Foi incubada na Agência de Inovação Tecnológica (Universitec) da UFPA e ganhadora do prêmio professor Samuel Benchimol.

O Instituto Gemológico da Amazônia é uma escola de joalheria que irá capacitar mão de obra nas mais modernas atividades de fabricação de joias.

A Induspar produz palmito de açaí em conserva de diversos tipos, diretamente extraídos da região amazônica, mais precisamente no território do Afuá, onde possuem o seu próprio polo industrial. No Parque de Ciência e Tecnologia Guamá vão focar na criação de novos processos e produtos.

A Nortech trabalha com fabricação de máquinas, aparelhos e equipamentos de sistemas eletrônicos dedicados a automação industrial e controle do processo produtivo; fabricação de máquinas e equipamentos para uso industrial; manutenção e reparação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos; instalação de equipamentos industriais; instalação de sistemas de eletricidades (cabo de qualquer tensão, fiação, materiais elétricos); obras de instalação, manutenção e reparação, dentre outros.

Sobre o Parque de Ciência e Tecnologia Guamá - Resultante da parceria entre as Universidades Federal do Pará (UFPA) e Federal Rural da Amazônia (UFRA) e o Governo do Pará, o PCT Guamá foi o primeiro e permanece como único parque tecnológico a entrar em operação na Amazônia.

Tem como principal objetivo, estimular a pesquisa aplicada, o empreendedorismo inovador, a prestação de serviços e a transferência de tecnologia para o desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado e fortemente competitivos.

Com uma área de 72 mil metros quadrados, reúne atualmente 15 centros e laboratórios tecnológicos, 34 empresas, 18 startups e 4 instituições, ligados principalmente às áreas estratégicas de atuação, que são Biotecnologia; Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC); Energia; Tecnologia Ambiental e Tecnologia Mineral.

Situado entre a UFPA e a UFRA, apresenta espaços voltados para a instalação de pequenos e médios empreendimentos de base tecnológica, laboratórios e centros de pesquisa e desenvolvimento, assim como de empreendimentos nascentes (startups) e temporários.