Vídeos


Segurança
Aplicativo SOS PM vai dar mais segurança a policiais militares
TV Governo
21/02/2019 às 12:07h

Os cerca de 16 mil policiais militares da ativa poderão contar, a partir desta quinta-feira, 14 de fevereiro, com mais uma ferramenta de proteção ofertada pelo Governo do Estado. É o aplicativo SOS PM, desenvolvido pela própria corporação com a chancela do governador Helder Barbalho e do comandante geral da PM-PA, coronel Dilson Júnior.

A ferramenta foi lançada oficialmente em uma cerimônia capitaneada pelo chefe do Executivo estadual, no Palácio do Governo. Na ocasião, Helder Barbalho solicitou à área de tecnologia da PM que inclua, tão logo seja possível, também os policiais civis, os bombeiros militares e os guardas municipais que desejarem, no cadastro do aplicativo, para que dele também possam fazer uso.

O SOS PM já está disponível na loja de aplicativos dos smartphones que funcionam com o sistema Android. Para acessá-lo é preciso baixar o software, fazer um cadastro simples e entrar no sistema. A partir daí, o policial já pode utilizar o botão do aplicativo, que funciona como uma espécie de botão do pânico. Acionado, o botão manda uma notificação para todos os usuários cadastrados no sistema e, também, para o Centro Integrado de Operações (CIOP).

Desta forma, o policial terá emitido um alerta para uma grande quantidade de agentes, que poderão socorrê-lo, tendo como base a sua localização, referenciada pelo próprio aplicativo. "No momento em que o policial manda a notificação para o sistema e outro agente clica sobre ela, já aparece para este agente a localização, a foto e o contato telefônico deste policial que está pedindo ajuda", explicou o tenente-coronel Ariel Sampaio, do Centro de Informática e Telecomunicações (Citel), da PM.

A ferramenta foi desenvolvida por dois policiais militares, o cabo Evérton da Silva, ligado ao Citel, e o cabo Rogério Soares, vinculado ao Departamento Geral de Operações (DGO) da PM. Para o cabo Éverton da Silva, o grande diferencial do aplicativo é justamente a possibilidade de diminuição do tempo-resposta a uma eventual chamada de um policial que esteja em perigo, uma vez que todos os usuários cadastrados no sistema e o Ciop são acionados em tempo real pelo software quando um alerta é emitido.

"Assim, não apenas os policiais que estão de serviço, mas também os que estão de folga, e que porventura estejam mais próximos do evento, poderão ajudar. Na fase de testes, conseguimos resolver uma ocorrência em apenas dois minutos, o que antes não acontecia", salientou Silva.

Já o cabo Rogério frisou o fato de que, por conta dos dados de localização existentes no sistema, será possível, posteriormente, a elaboração de relatórios e mapas que apontem os locais onde mais há ocorrência de ataques a policiais e, assim, o desenvolvimento de ações preventivas. "Sabemos que, quando a bandidagem quer se instalar, a primeira coisa que ela faz é atacar os policiais naquela área. Então, ter esse mapeamento será fundamental para prevenir as ocorrências", analisou.