Equipes de governo vistoriam locais de incêndios e prestam apoio às famílias

13/09/2019 13h29 - Atualizada em 13/09/2019 14h33
Por Bernadete Barroso (COHAB)

O vice-governador Lúcio Vale enfatizou o pedido do governador Helder em prestar apoio o mais rápido possível. Uma comitiva acompanhou o vice-governador do Estado, Lúcio Vale, na manhã desta sexta-feira (13), em uma visita aos dois endereços onde ocorreram incêndios de grandes proporções, atingindo mais de 20 casas no bairro da Pedreira, em Belém. As tragédias ocorreram na passagem São Benedito, entre a avenida Marquês de Herval e o canal da Visconde de Inhaúma, e em uma escola infantil e residências na travessa Antônio Baena, entre a avenida Pedro Miranda e a travessa José Pio.

Integravam a equipe de governo o presidente da Companhia de Habitação do Estado do Pará (Cohab), José Scaff Filho; o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Hayman de Souza; o secretário de Assistência Social (Seaster), Inocêncio Gasparim; e a secretária de Cultura, Úrsula Vidal, além do vice-prefeito de Belém, Orlando Reis.

O objetivo da visita foi avaliar a situação das moradias e realizar um levantamento das famílias atingidas pela tragédia, para que o Estado possa agir, a partir dos benefícios sociais, e minimizar o sofrimento das vítimas.

Mesmo após a contenção dos incêndios, os trabalhos das equipes dos bombeiros continuam nos locais."Nesse momento, o Estado se faz presente para poder ajudar e amenizar essa situação grave que aconteceu ontem. O primeiro passo é fazer o levantamento de quantas pessoas foram atingidas, para que a gente possa, a partir daí, ver o que fazer através da secretaria de assistência social, assim como da Cohab, para diminuir os prejuízos dessas famílias", disse o vice-governador, Lúcio Vale.

O Cheque Moradia é um dos instrumentos de auxílio destas pessoas afetadas nos incêndios. Segundo o presidente da Companhia de Habitação, José Scaff, a Cohab fará o possível para garantir este benefício o mais rápido possível. Já foi iniciado o procedimento de levantamento social e de engenharia para atender as famílias.

“As nossas equipes da parte social e da engenharia já estão aqui presentes (nos locais do incêndio). Vamos verificar da maneira mais célere possível a forma de poder aplicar o benefício do cheque moradia para estas pessoas. Obviamente temos alguns critérios para isto, mas por se tratar de um sinistro, uma situação emergencial, faremos o possível para amenizar a dor dessas famílias”, declarou Scaff.

A Seaster também terá um papel fundamental de ajuda aos desabrigados pelos incêndios na capital. “Além do cheque moradia, e do apoio do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil com as doações, temos um apoio chamado ‘Benefício Eventual’, em que o Governo paga três salários mínimos aos moradores, quando constatado pela assistência municipal e pelos laudos do CBM que a família tenha tido perda total”, explicou o secretário do órgão, Inocêncio Gasparim.

O vice-governador, Lúcio Vale, enfatizou o pedido do governador Helder em prestar apoio o mais rápido possível. “O Estado se faz presente neste momento. Vamos fazer o levantamento de todas as famílias vitimadas, para atendermos no âmbito social e, através da Cohab, com o cheque-moradia, um dos instrumentos que o governo”, concluiu.

As famílias serão atendidas com o cheque-moradia.Incêndios – A primeira ocorrência aconteceu por volta de 15h desta terça (12), na travessa José Pio, entre 14 de março e Antonio Everdosa. Na ocasião, o fogo atingiu a residência de sete famílias, de quatro casas, incluindo uma escola infantil que teve perda total, sem vítimas. O segundo incêndio teve proporções ainda maiores. Ocorreu por volta de 2h da manhã desta quarta -feira (13), na passagem São Benedito, próximo ao canal da Visconde. Na ocasião, as chamas atingiram mais de 20 casas, deixando 45 famílias desabrigadas, segundo informações do Corpo de Bombeiros.

Para Roseane Andrade, umas das vítimas do incêndio na travessa José Pio, a presença imediata e o suporte do Estado são alentos no meio de tanta tristeza. “O fogo foi tão rápido que não deu tempo da gente salvar nada, só de correr. Mas essa ajuda do Governo vai ser muito bem-vinda para quem teve perda total”, afirmou.

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Hayman de Souza, explicou que, mesmo após a contenção dos incêndios, os trabalhos das equipes continuam nos locais. “O Corpo de Bombeiros vai continuar nas áreas nesse serviço de rescaldo. O incêndio já foi debelado, mas ainda há um risco de propagação. As causas só serão descobertas após levantamento e laudo da nossa perícia, que leva em torno de 30 dias”, concluiu.

*Colaborou Raphael Graim