Projeto Meu Endereço seleciona bolsistas no bairro da Cabanagem

06/09/2019 21h24 - Atualizada em 07/09/2019 10h57
Por Jeniffer Galvão (SECTET)

Moradores do bairro da Cabanagem, em Belém, participaram nesta sexta-feira (06) do teste de seleção de bolsistas para o Projeto “Meu Endereço: lugar de paz e segurança social”, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA). O projeto integra as ações do Programa Territórios pela Paz (TerPaz), do Governo do Pará.

O processo seletivo começou na quinta-feira (5) com um treinamento. Myrian Cardoso, coordenadora do “Meu Endereço”, apresentou aos 19 candidatos os objetivos, etapas, formação das equipes e o funcionamento do projeto, explicando como está inserido no Programa TerPaz. “O 'Meu Endereço' visa contribuir para a redução dos índices de violência no bairro decorrentes de conflitos socioambientais, fundiários e vicinais, proporcionando assistência técnica em engenharia e arquitetura, o que vai ajudar nesse processo de mediação de conflito e regularização fundiária”, ressaltou Myrian Cardoso.

À segunda etapa da seleção - teste de avaliação e entrevistas - realizada nesta sexta, compareceram 12 candidatos. A professora de geografia Maria de Jesus Evangelista, que mora há 20 anos na Cabanagem, quer uma das três vagas de bolsista do “Meu Endereço”. Ela se interessou em participar da seleção por acreditar que pode contribuir com o projeto, pois conhece bem o bairro, principalmente depois de ter estudado o contexto social da Cabanagem no seu trabalho de conclusão do curso superior. “Eu acredito que o projeto vai ajudar a reduzir os conflitos que existem entre vizinhos na disputa de lotes urbanos. Eu fiz o meu TCC sobre a violência no bairro e conversei com os alunos desta escola (Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Valente Ribeiro) e quero retribuir tudo o que me foi proporcionado por eles e demais moradores”, disse Maria de Jesus.

A professora enfatizou ainda que é um direito dos moradores saber exatamente qual é o seu endereço, um dos serviços oferecidos pelo projeto, que faz o georreferenciamento dos imóveis dos moradores cadastrados. “Isso diminui o preconceito sobre as pessoas que moram nas chamadas invasões. O imóvel é do morador, e ele tem direito a um endereço”, ressaltou.

Critérios - O processo de seleção dos bolsistas foi feito pela equipe do projeto, formada pela engenheira civil Elaine Angelim, pelo engenheiro sanitarista e ambiental Daniel Mesquita e pela assistente social Solange Pamplona. Para participar da seleção o candidato precisa ser morador do bairro e ter o ensino médio completo. A seleção leva em conta o conhecimento que o morador tem sobre o bairro, a relação dele com a comunidade, conhecimento sobre sistemas de medidas, boa caligrafia e formas de abordagem.

O bolsista vai acompanhar a equipe técnica que visitará as famílias cadastradas, medirá os imóveis e participará de todas as etapas de assistência técnica e tecnológica do processo de regularização fundiária. A cada etapa do projeto, o bolsista passará por nova capacitação.

O próximo bairro atendido pelo TerPaz a ter a seleção de bolsistas do “Meu Endereço” será o Icuí, em Ananindeua.