Ioepa recebe escritores paraenses para tratar sobre a 23ª Feira do Livro

21/08/2019 16h58 - Atualizada em 21/08/2019 17h59
Por Ailson Braga (IOE)

Escritores paraenses que lançarão suas obras na 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e Multivozes se reuniram nesta quarta-feira (21), às 10 h, na sede da Imprensa Oficial do Estado (Ioepa), para dirimir dúvidas sobre a participação no evento, e buscar informações sobre as ações e atividades do estande da Ioepa que ocorrerão durante a Feira.

Escritores paraenses recebidos pelo presidente da Ioepa, Jorge PanzeraEntre os presentes ao encontro estavam os escritores Cláudio Rendeiro, que relançará os livros “Crônicas de um Ribeirinho” (Epaminondas Gustavo) e “Líricas Ribeirinhas e outras Margens”; Lorena Valente de Oliveira, premiada em concurso literário da Academia Paraense de Letras, com o livro “Efemérides”, que será lançado no estande da Ioepa; Nelson Maués (De Mosqueiro a Xangai); Ester Septimio (Mirrão); Jetro Fagundes (Heróis do País da Cabanagem); Apolo de Caratateua (Gapuiando Sonhos); o fotógrafo Mauro Fernandes (Raízes – Quilombos do Marajó); Lincoln Campos (Judith e Tarec); a diretora escolar Carmem Lúcia (Saapeca III), e o advogado Ricardo Washington, presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Pará.

'Felicidades encadernadas' - O presidente da Ioepa, Jorge Panzera, informou sobre a nova política pública de edições e publicações, que será implantada na atual gestão, e sobre o edital para a publicação de livros inéditos. Ele espera que a realização da Feira do Livro sirva para estreitar mais os laços entre a Ioepa e autores paraenses. “Para que nós possamos, juntos, ter condições de mostrar mais trabalhos, lançar novos autores, publicar mais obras inéditas para o público do Pará”, disse Jorge Panzera, para quem “livros são felicidades encadernadas, já diz o professor Paes Loureiro. E são os livros que temos de empunhar como armas em busca de uma sociedade mais pacífica, esclarecida e justa. E não há livros sem escritores. Vocês são fundamentais para essa caminhada na luta por um mundo melhor. Nós agradecemos a presença de vocês aqui.”

Em nome de todos os escritores presentes ao encontro, Nelson Maués disse que sem a Imprensa Oficial do Estado muitos deles nunca teriam a chance de publicar. “Nós é que agradecemos à Ioepa pelo respeito com que somos tratados e pela oportunidade que muitos de nós temos de sermos publicados. Por exemplo, várias vezes eu tentei publicar meu livro e fui recusado em leis de incentivo e outras editoras”, contou o autor de “De Mosqueiro a Xangai”.

Quem também destacou a importância do trabalho da Ioepa foi o fotógrafo Mauro Fernandes, que lançará o livro “Raízes” sobre a realidade dos quilombos marajoaras. “A Imprensa Oficial se preocupa com a qualidade do que publica, com um olhar voltado para o social, para a diversidade. A população negra do Marajó está representada nesse meu trabalho, que só teve a possibilidade de ser publicado graças à sensibilidade do grupo de gestores da Imprensa Oficial”, afirmou Mauro Fernandes.

Aperfeiçoamento - De acordo com Rodrigo Moraes, que coordena a equipe da editora da Imprensa Oficial do Estado, a atual gestão está em busca de aperfeiçoar a publicação de trabalhos de relevância e interesse públicos. “Não queremos ser apenas uma gráfica, mas de fato uma editora. Tem que ter qualidade, ter um corpo editorial, uma linha editorial definida. E isso demanda tempo, diálogo, depende de uma construção. A partir dessa Feira do Livro essa política vai ser instituída”, afirmou Rodrigo Moraes.

Ele destacou a importância de uma editora pública com o lançamento do livro “Flauta de Bambu”, do paraense Haroldo Maranhão, que volta a ser impresso após quase 40 anos. “Nossa missão é dar voz a autores consagrados que estão fora de catálogo, mas também incentivar a publicação de novos autores, ou autores que não têm chance de ser publicados. E a nossa atuação não se restringirá à capital, mas chegará a todas as regiões do Pará”, informou Rodrigo Moraes.

A Imprensa Oficial do Estado está com um estande de 50 m², um dos maiores da Feira do Livro e Multivozes. A programação inclui cerca de 15 lançamentos da editora com noite de autógrafos, além de programação infantil do Portal do Conhecimento (antigo Projeto Livro Solidário), com sarau lítero-musical, contação de histórias, rodas de conversas, cafés filosóficos e oficinas.

Serviço: O estande da Imprensa Oficial está localizado em frente à Arena Multivozes. A 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro será realizada de 24 de agosto a 1º de setembro, das 10 às 22 h, no Hangar - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia - na Avenida Dr. Freitas, esquina com a Rua Brigadeiro Protásio.