Moradores do Icuí aprendem sobre educação financeira e gestão de negócios

29/07/2019 22h49 - Atualizada em 30/07/2019 12h19
Por Rodrigo Sousa (SEASTER)

Ela é artesã e está em busca de acesso ao microcrédito, enquanto ele é metalúrgico e almeja abrir sua própria empresa. Alzira Batista, 48 anos, e Aicia Braga, 28, mãe e filho, estiveram na manhã desta segunda-feira (29), na Escola Estadual Maria de Nazaré Marques Rios, no bairro do Icuí, em Ananindeua (Região Metropolitana de Belém), para participar das ações do Programa Territórios pela Paz (TerPaz). A iniciativa teve o apoio da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster).

A palestra sobre Empreendedorismo enfatizou o papel do empreendedor em diferentes aspectos, envolvendo a educação financeira na família, além de fortalecer a gestão de negócios. Aicia já possui uma clientela, mas ainda não tem um espaço adequado para exercer a profissão de metalúrgico. “Como eu trabalho por conta própria, ainda não adquiri minhas máquinas e nem estrutura para ter minha própria oficina. Fiquei sabendo da palestra sobre Empreendedorismo e decidi vir em busca desse conhecimento”, contou.

Alzira Batista confecciona sandálias e pretende ampliar o negócio. “A palestra me ensinou a ter visão de empreendedora, algo que eu não sabia. Foi muito válido participar. Eu também recebi orientação de microcrédito para aumentar minha produção de sandálias”, acrescentou.

"A Seaster tem um compromisso com a vida das pessoas, com a mudança de realidade de tantos que vivem em situações de vulnerabilidade social. No TerPaz estamos atuando com ações de assistência, empreendedorismo, qualificação profissional e geração de emprego e renda, principalmente para a juventude presente nos territórios. A nossa missão é fazer a diferença e proporcionar confiança e esperança de dias melhores, com mais oportunidades e qualidade de vida à população paraense", frisou o titular da Seaster, Inocencio Gasparim.

Compromisso - Além de artesãos e demais empreendedores, jovens da comunidade se cadastraram no Sistema Nacional de Emprego (Sine), como Raissa Ferreira, 22 anos, que está em busca de uma vaga no mercado de trabalho. “Eu ainda não tive a oportunidade de trabalhar de carteira assinada, por isso estou à procura de uma vaga na área administrativa, como secretária ou auxiliar. Estou bastante confiante”, disse.