Notas


Doze adolescentes fogem de Unidade Socioeducativa em Benevides

11/08/2019 21h50
Por Jackie Carrera (SECOM)

A Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa) confirma a fuga de 12 adolescentes da Unidade de Atendimento Socioeducativo (Uase), no município de Benevides, na Região Metropolitana de Belém, no início da tarde deste domingo (11).

Segundo a direção da Fasepa, no horário de almoço dois socioeducandos renderam uma monitora com o uso de estoques (armas artesanais) e a obrigaram a abrir outras celas. O grupo de 12 adolescentes conseguiu fugir abrindo um buraco no muro lateral da unidade.

O espaço possui quatro alas e tem capacidade para custodiar 88 adolescentes. No momento da fuga havia 48 socioeducandos e 16 monitores. A situação foi estabilizada imediatamente, garantindo a integridade física de todos os socioeducandos. A monitora rendida e os demais servidores foram atendidos pelo Núcleo de Gestão de Pessoas da Fasepa. Ninguém ficou ferido.

A Companhia Especial de Polícia Assistencial (Ciepas) foi acionada e faz buscas na área. Até o momento, nenhum adolescente foi recapturado. Além de entrar em contato com as famílias dos socioeducandos que participaram da fuga, a Fasepa também informou o caso oficialmente ao Ministério Público, à Defensoria Pública do Estado e ao Juizado de Infância e Juventude.

De acordo com a direção da instituição, foi aberta uma sindicância para apurar o caso. A Fasepa ressaltou que vem trabalhando para melhorar a estrutura e reforçar a vigilância das unidades. A Uase de Benevides não recebia manutenção desde que foi inaugurada, em 2011. A Fundação já havia finalizado o processo de contratação de empresa para executar serviços de manutenção, corretiva e preventiva, na unidade de Benevides e em outros espaços. A previsão é que os serviços comecem neste mês, coincidindo também com a instalação do sistema de videomonitoramento via satélite em tempo real e da implementação de salas de situação nas unidades.

Em todo o Estado, a Fasepa custodia, em 15 unidades, 419 adolescentes em conflito com a lei, que cumprem medida socioeducativa de internação.